O fator Pirarucu do Madeira

Fonte: Rondoniadinamica

Domingo, 04 de Fevereiro de 2018 às 11:24

Compartilhar matéria:

Neste domingo 4 de fevereiro, 16h em Porto Velho – RO na Rua Pinheiro Machado com a Presidente Dutra, a lira momesca soprará longínqua e frenética chamando todos e espantando a melancolia, desancando a indolência, fazendo sacudir o imatável ânimo dos cidadãos de fé e de folia. Eis o Pirarucu do Madeira, eis o bloco, vai passar o códex da alegria, vai reluzir a alma viva e materializada do reinado de momo, venha dançar e cantar no contraponto e quebra-gelo da quietude do réquiem, uma fidedigna tradução carnavalizada do folguedo, cá na pátria de Zé Pereira.

Aqui é a meca da alegria tupiniquim, a reluzente e perfumada via carnavalis onde se juntam apaixonados, necessitados, abastados, blefados, danados, entre outros tantos “ados”. Nessa passarela o bloco mais democrático da cidade, o pluri matizado, sem eira e nem beira e audaz como de hábito, rompe o convencional e exuma das catacumbas memoriais a coletânea histórica guardada no ataúde temporal e a exibe em cortejo, pendurada em estandartes multicor, numa festiva exéquia aos remotos cordões e inesquecíveis foliões e referências “imorríveis,” bastiões memoráveis dessas artes, ora untados como os motes festivos desse enfeitado fevereiro de 2018.

E quando o compromisso do resgate bate à porta da providência o Pirarucu do Madeira não é de roer a corda, ele salta adiante, busca na prateleira patrimonial o oiro do passado que repousa em alfarrábios no formato de manuscritos e outros registros a dizerem do carnaval da Porto Velho de antanho.

E assim, entre um e outro frevo, faremos um repaginar curioso ressuscitando e buscando saber como brincam noutro plano os incansáveis Waldemar Cachorro, o Rei das Selvas e Inácio Campos com suas originalidades. O antigo carnaval não guarda no seu relato os porquês e os rumos dessa manifestação festiva, mas cumpre-nos mantê-la viva e saudável para o vigor da cultura popular nos tempos atuais. Reflitamos: pra onde levaram o defunto do enterro do Bloco do Purgatório? Em qual esquina o carteiro Moraes sopra o seu clarim? Talvez, o fator Pirarucu do Madeira, seja um indicador a fazer emergir dos nossos recônditos essas e outras cenas e com “plus” renovado fazê-las úteis à sucessividade dessa cultura.

Bem lembramos que Sol e Chuva eram as tropicais opções animadas e irresistíveis no carnaval da nossa quente e úmida Amazônia. A imensa Cobra que nos assustava meninos, hoje serpenteia a nossa mente garimpeira e saudosa. Por essas folhearemos os transcritos históricos lendo sobre o bloco O´Cheravause, 812, Bloco do Bode, Bloco da Dona Jóia dentre outros mais que surgiam das entranhas da cidade pisando as calçadas de paralelepípedos, exalando irreverência e animação, os livres autos culturais hoje tão margeados pela quase inviabilidade, como dito nas exigências das bulas burocráticas.

Despejando pelas ruas vivíssimas memórias e histórias de blocos como o Triângulo não morreu e seu grande animador o folião e carnavalesco Armando Holanda (o saudoso Periquito) e o Lira do Amor levado pelo Galdino, se nos vem outras suscitações e indagações. Por lá, como devem foliar Manelão, Babá, o Benjamin Mourão e outro tantos? Por não sabermos, frevos e marchas farão foliões e foliãs os bastantes representantes de suas próprias vontades e liberdades além de averbadores naturais da nossa rica tradição carnavalesca, exalada no aromático pitiú do Bloco Pirarucu do Madeira, que empunhará, pelas ruas, estandartes feito alegres flâmulas obituárias a tremularem ao vento da sempre viva folia e cultura carnavalesca de nossa mada Porto Velho.

tatadeportovelho@gmail.com

Deputado Jesuino Boabaid se indigna com veto do governo

Deputado Jesuino Boabaid se indigna com veto do governo

Sessão Solene homenageia servidores da SEJUS

Sessão Solene homenageia servidores da SEJUS

Direção Geral: Vinicius Queiroz
Rua Reverendo Elias Fontes - N°1914, Agenor de Carvalho
Porto Velho/RO. 76820-294
Fone: 69-99386-6052