Congresso mantém seis vetos de Michel Temer

Fonte: Câmara

Quinta-Feira, 07 de Dezembro de 2017 às 08:52

Compartilhar matéria:

Senadores e deputados mantiveram nesta quarta-feira (6) seis vetos do presidente Michel Temer a matérias aprovadas pelo Congresso. Cinco vetos destacados para votação em separado devem ser analisados na próxima sessão, marcada para a próxima terça-feira (12), às 14h.

Os parlamentares mantiveram o veto 33/2017, sobre a regularização de servidores concursados de cartórios que mudaram de unidade de 1988 a 1994. O veto mantido impede a legalização de servidores destituídos de função. De acordo com o governo, o artigo poderia trazer “instabilidade administrativa”.

Também foi mantido o veto 34/2017, sobre o julgamento pela Justiça Militar de crimes cometidos por militares contra civis. A lei teria vigência apenas durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. Com o veto mantido, ela permanece em vigor indefinidamente.

Outro veto mantido pelos parlamentares (35/2017) trata do chamado PIB Verde. De acordo com a lei parcialmente vetada, o patrimônio ecológico nacional seria calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Michel Temer vetou a utilização pelo IBGE do Índice de Riqueza Inclusiva (Inclusive Wealth Index) elaborado pela Organização das Nações Unidas.

O Congresso manteve ainda o veto 37/2017, sobre a transferência de recursos do Fundo Penitenciário Nacional a estados, Distrito Federal e municípios. O presidente da República vetou o trecho que permitia a reincorporação às Forças Armadas de reservistas convocados para convênios em segurança pública.

Os parlamentares também mantiveram o veto a parte das alterações feitas pelo Poder Legislativo à Medida Provisória (MPV) 782/2017, que alterou a organização administrativa do Poder Executivo. Um dos pontos rejeitados pelo Palácio do Planalto incluía entre as competências da Secretaria Geral da Presidência da República a execução das atividades de cerimonial.

O Congresso manteve ainda veto 40/2017, sobre o atendimento a mulheres em situação de violência. O ponto rejeitado conferia à polícia autoridade para aplicar medidas protetivas. Para o Palácio do Planalto, o artigo invadia competência do Poder Judiciário. O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) criticou o veto.

— Cresce assustadoramente o número de feminicídios no Brasil. Muitas mulheres são assassinadas porque infelizmente a Justiça não tem agilidade para a adoção das medidas protetivas — afirmou.

Vetos destacados

Na próxima sessão do Congresso, senadores e deputados devem analisar outros cinco vetos destacados para votação em separado. O veto 25/2017 corta mais de 40 pontos da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2018. Um dos dispositivos suspensos inclui no rol de prioridades do governo o Plano Nacional de Educação e parte do Programa de Aceleração do Crescimento.

O veto 29/2017 rejeita pontos de uma lei aprovada para socorrer as Santas Casas de Misericórdia. O veto impede que as instituições de saúde em dívida com a União tenham acesso ao programa de financiamento.

Senadores e deputados devem analisar ainda o veto 32/2017, que barra pontos da lei sobre o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC). Um ponto rejeitado obriga provedores de aplicativos e redes sociais a retirar da internet publicação falsa ou que incite o ódio contra partido ou coligação.

Outro veto na pauta é o 36/2017, sobre o Programa Especial de Regularização Tributária. A iniciativa permite o parcelamento com descontos de dívidas com a União. O presidente da República vetou o ponto que permitia o acesso de micro e pequenas empresas optantes pelo Simples.

O veto 38/2017 barra o porte de armas de fogo por agentes de trânsito. De acordo com Michel Temer, o projeto, vetado integralmente, entraria em conflito com os objetivos do Estatuto do Desarmamento.

Orçamento de 2018

Depois dos vetos, o Congresso deve votar a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018. Mas, antes disso, senadores e deputados precisam analisar a matéria na Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO). Segundo o presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira, os parlamentares também votar na terça-feira projetos de lei que abrem crédito para ministérios e órgãos públicos.

Deputado Jesuino Boabaid se indigna com veto do governo

Deputado Jesuino Boabaid se indigna com veto do governo

Sessão Solene homenageia servidores da SEJUS

Sessão Solene homenageia servidores da SEJUS

Direção Geral: Vinicius Queiroz
Rua Reverendo Elias Fontes - N°1914, Agenor de Carvalho
Porto Velho/RO. 76820-294
Fone: 69-99386-6052