Estudantes fecham principal avenida de Porto Velho em ato contra bloqueio de verbas na educação

Fonte: G1 RO

Quarta-Feira, 15 de Maio de 2019 às 13:26

Compartilhar matéria:

Protestos de alunos da Unir na Avenida Sete de Setembro — Foto: Diêgo Holanda/G1

Protestos de alunos da Unir na Avenida Sete de Setembro 

Estudantes da Fundação Universidade Federal de Rondônia (Unir) fecharam no fim da manhã desta quarta-feira (15) a Avenida Sete de Setembro, principal via de Porto Velho, para protestar contra o bloqueio de recursos para a educação anunciado pelo Ministério da Educação (MEC).

Segundo o Diretório Central dos Estudantes (DCE), cerca de 200 pessoas estiveram no manifesto pacífico. A Polícia Militar (PM) acompanha o protesto, mas não divulgou o número de manifestantes.

A concentração dos universitários começou na Praça do Baú, centro de Porto Velho, e logo depois os estudantes seguiram até a Avenida Sete de Setembro para pedir o fim do bloqueio de verbas à Unir. Na sequência eles fecharam a via, no cruzamento com a Avenida Rogério Weber.

O grupo também usou cartazes para pedir o fim da reforma da previdência, que tramita no Congresso Nacional em Brasília (DF).

Segundo os alunos, a situação da Unir é "caótica" e, com esse bloqueio de verbas, a universidade no estado não deve funcionar a partir de julho, pois ficaria sem dinheiro para pagar contas de energia, telefone e serviços terceirizados.

PM acompanhou protesto de estudantes em Porto Velho — Foto: Diêgo Holanda/G1

PM acompanhou protesto de estudantes em Porto Velho

Contingenciamento

Em abril, o Ministério da Educação divulgou que todas as universidades e institutos federais teriam bloqueio de recursos. Em maio, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) informou sobre a suspensão da concessão de bolsas de mestrado e doutorado.

Alunos fecharam acesso à avenida Sete de Setembro em ato contra MEC — Foto: Diêgo Holanda/G1

Alunos fecharam acesso à avenida Sete de Setembro em ato contra MEC

De acordo com o Ministério da Educação, o bloqueio é de 24,84% das chamadas despesas discricionárias — aquelas consideradas não obrigatórias, que incluem gastos como contas de água, luz, compra de material básico, contratação de terceirizados e realização de pesquisas. O valor total contingenciado, considerando todas as universidades, é de R$ 1,7 bilhão, ou 3,43% do orçamento completo — incluindo despesas obrigatórias.

Em 2019, as verbas discricionárias representam 13,83% do orçamento total das universidades. Os 86,17% restantes são as chamadas verbas obrigatórias, que não serão afetadas. Elas correspondem, por exemplo, aos pagamentos de salários de professores, funcionários e das aposentadorias e pensões.

Segundo o governo federal, a queda na arrecadação obrigou a contenção de recursos. O bloqueio poderá ser reavaliado posteriormente caso a arrecadação volte a subir. O contingenciamento, apenas com despesas não obrigatórias, é um mecanismo para retardar ou deixar de executar parte da peça orçamentária devido à insuficiência de receitas e já ocorreu em outros governos.

Alunos pedem fim do bloqueio de verbas na educação — Foto: Diêgo Holanda/G1

 

Porto Velho (RO) tem protesto contra bloqueios na educação — Foto: Diêgo Holanda/G1

Direção Geral: Vinicius Queiroz
Rua Reverendo Elias Fontes - N°1914 , Agenor de Carvalho
Porto Velho/RO. 76820-294
Fone: 69999934921